Escândalo envolvendo Maiara e Maraisa vem à tona

Uma verdadeira polêmica envolvendo Maiara e Maraisa veio à tona; acompanhe todos os detalhes e a not

  • Publicado: Núcleo Digital - 09/07/2020

É, meus caros, não está nada fácil, nem mesmo para os famosos. É que, até mesmo as lives estão sendo motivo de confusão. Até a Justiça está sendo acionada para tentar congelar o cachê das apresentações. As informações são da jornalista e colunista do jornal carioca ‘O Dia’, Fábia Oliveira. Quem passou por isso foi as cantoras sertanejas Maiara e Maraisa.
Segundo suas informações, a Justiça até que tentou penhorar o cachê de uma live realizada pelas cantoras sertanejas Maiara e Maraisa. O motivo? Pois bem, é que um ex-cunhado de Maiara, Elias Fernandes, teria emprestado um dinheiro para as gêmeas.
Como elas não pagaram, ele acionou a Justiça para receber o dinheiro. O processo, de número 0714309-49.2019.8.07.0001, tramita na 1° Vara de Execuções de Títulos de Brasília – DF. Elias teria emprestado cerca de R$ 1 milhão para Maraisa, para ela quitar a compra de uma fazenda em Morrinhos, no entanto, até agora, não viu a cor do dinheiro.
Procurada, a assessoria jurídica da cantora comentou: “A Maraísa nada deve ao senhor Elias, nunca comprou nada, ou fez qualquer negócio ou fez empréstimo com o mesmo, nunca teve relação comercial com a pessoa que ajuizou a ação judicial em seu desfavor. O senhor Elias é irmão do ex-namorado da Maraísa, o senhor Raimundo, o qual de maneira ilícita repassou uma nota promissória para o seu irmão, com o claro intuito de tentar conseguir vantagem financeira em desfavor da mesma”.
O advogado de Maiara e Maraisa ainda continuou: “Durante o relacionamento, e devido à pouca idade e pouca instrução da mesma à época, ela foi induzida por seu então namorado, Raimundo, a assinar várias promissórias em branco, sob o argumento de que ambos iriam adquirir uma propriedade rural. Todas as promissórias foram assinadas em branco, sendo que das sete promissórias, apenas seis foram devolvidas depois da intervenção dos advogados da mesma. Contudo, uma das promissórias não foi devolvida e foi preenchida à mão pelo senhor Raimundo, tendo como credor a empresa Gaia Agribusinnes, da qual o senhor Raimundo é sócio”.

Image